Publicado em Deixe um comentário

A verdade sobre o clitóris: por que ele não é apenas construído para o prazer

Os resultados são, finalmente, em um estudo Clínico em Anatomia descobriu que o clitóris não desempenham um importante papel na reprodução, ativando uma série de cérebro efeitos (tomando como ler, aliás, que é feito para a direita: portanto, estamos falando de um orgasmo feminino, não se trata de uma ignorado clitóris, sentado ali, cuidando de seu próprio negócio). Estes efeitos cerebrais em resumo: aumento do fluxo de sangue vaginal, aumento da lubrificação, oxigênio e temperatura, e uma posição alterada do colo do útero, que paradoxalmente retarda o esperma e melhora a sua motilidade.

de uma perspectiva leiga, isto parece bastante incontroverso. O clitóris está bem ali no estádio reprodutivo; seria estranho se não tentasse pelo menos ajudar. No entanto, isto – talvez previsivelmente, uma vez que a sexualidade feminina está envolvida – é um espaço altamente contestado.era uma visão popular nos anos 70, que os orgasmos femininos eram importantes para a fertilização do óvulo, graças ao efeito de sucção das contracções musculares, garantindo que o esperma ia na direcção certa, e não se distraía com o ar livre. Isso foi decretado falso até o final do século passado, e o debate assumiu a linguagem distintiva do desprezo científico: era uma “hipótese Zumbi”, de acordo com o fisiologista Roy Levin; não era vivo, mas se recusou a morrer.um caso feminista foi feito pela filósofa Elisabeth Lloyd no caso do orgasmo feminino. Quando procuramos caracterizar o prazer sexual nas mulheres como uma ajuda à fertilidade, estamos a transformá-lo num mecanismo adaptativo, qualquer prazer um subproduto ao serviço da espécie.

também estamos sendo androcêntricos, tomando a jornada reprodutiva masculina (ter orgasmo; produzir esperma; fazer Bebê) e tentando encontrar seu espelho na fêmea (ter orgasmo; agarrar esperma; fazer bebê). Se você quer explorar a sexualidade feminina de forma significativa, você tem que vê-la como seu próprio terreno, no qual o prazer possivelmente existe para seu próprio bem, independentemente de tal mecanismo estar ausente nos homens.o livro de Daniel Bergner o que querem as mulheres? faz um caso paralelo e fascinante que começa com terminações nervosas na vagina e termina (parafraseando) na conclusão de que o desejo feminino é tão imenso que poderia ser ligado por qualquer coisa, até e incluindo bonobos.

com o risco de soar um pouco triangulada, gostaria de saber se existe qualquer necessidade para estas ideias em guerra; você pode ver o clitóris como reprodutivamente útil, que é como a ciência dirige você, sem minimizar o épico de poder que não tem nada a ver com a reprodução.

{{#ticker}}

{{topLeft}}

{{bottomLeft}}

{{topRight}}

{{bottomRight}}

{{#goalExceededMarkerPercentage}}

{{/goalExceededMarkerPercentage}}

{{/ticker}}

{{heading}}

{{#paragraphs}}

{{.}}

{{/paragraphs}}{{highlightedText}}

{{#cta}}{{text}}{{/cta}}
Remind me in May

Accepted payment methods: Visa, Mastercard, American Express e PayPal

estaremos em contato para lembrá-lo para contribuir. Procure uma mensagem na sua caixa de entrada em maio de 2021. Se você tiver alguma dúvida sobre contribuir, entre em contato conosco.

  • Partilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar via e-Mail
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar no Pinterest
  • Partilhar no WhatsApp
  • Partilhar no Messenger

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.